Usar celular enquanto guia aumenta 23 vezes o risco de acidentes

Você sabia que o celular está na quarta posição do ranking de causa de acidentes de trânsito?

Outras distrações que podem causar acidentes quando realizadas ao volante são:

  • Ajustar estações no rádio ou troca de CD’s (demora de 4 à 10 segundos ou mais);
  • Pegar algo na carteira (demora em média 3 à 7 segundos);
  • Digitar no celular (demora em média de 5 à 10 segundos);
  • Digitar uma mensagem de texto curta (demora em média 15 segundos), ou seja, tempo suficiente para desviar o olhar e provocar um acidente.

Os motoristas ignoram que 20% dos acidentes de trânsito são causados pelo uso do celular no trânsito, seja atendendo uma ligação ou enviando e recebendo mensagens de texto (sms).

O risco de um acidente de carro ou de caminhão ocorrer durante o envio de mensagens de texto aumenta 23 vezes em relação a um motorista que está somente concentrado na estrada. A infração por estar no celular enquanto dirige é uma multa no valor de R$ 85,13 e mais quatro pontos na carteira de habilitação.

Evite mandar SMS e dirigir ao mesmo tempo, se necessitar comunicar-se com alguém, encoste o carro no acostamento, ou ligue no viva-voz.

Fonte: www.sossego.com.br

Cada dia mais pessoas têm um novo sonho: comprar um carro. E o mercado, aquecido, aproveita com todo tipo de incentivo possível, desde redução de imposto até feirões e outros tipos de ofertas de carros, novos e usados, tudo para viabilizar o sonho de milhões de brasileiros, ter um carro!

Os feirões facilitaram muito o acesso da população aos automóveis, mas é preciso ter em mente que atenção e cuidado antes de fechar qualquer

Carro: o sonho de milhões de pessoas!

negócio nunca é demais. Comece por conversar com seu mecânico de confiança e verificar se ele poderá ir com você para avaliar o estado do carro que você deseja comprar. Às vezes, descontos altos e isenção de impostos nos causam um senso de urgência fora do comum, mas o melhor a fazer é sempre avaliar bem. Os feirões duram alguns dias, mas os problemas que você poderá ter em comprar um veículo usado sem avaliar friamente os impactos desta decisão em seu bolso, terão longa data de duração.

Alguns itens podem ser verificados para que você possa ter boas referências da procedência dos veículos antes de fechar negócio! Por exemplo, os feirões costumam ser regulamentados. Nos feirões, você consegue financiar 100% do valor do veículo, consegue isenção de IPVA, consegue descontos maiores do que nas concessionárias, tanto para o carro zero como para carro usado. É por conta de tantas ofertas tentadoras, que é necessário maior atenção!

Não se esqueça de fazer tantas perguntas quanto achar pertinentes, se for entrar em um financiamento, avalie se o valor das parcelas cabe em seu orçamento, a desvalorização do veículo, se a manutenção é barata, o local onde será realizado o feirão, entre outras informações.

Sanadas as dúvidas, compre seu carro e seja feliz! :)

O carro exerce grande fascínio na natureza humana. Fascínio tão grande este, que faz do carro uma inspiração para muitos dia após dia. Fonte de inspiração para mecânicos, engenheiros, designers, cidadãos e artistas dos mais diversos segmentos, é na obra dos compositores e cantores que podemos acessar e compartilhar esta paixão!

Carro: paixão nossa de cada dia

Veja no trecho abaixo algumas obras e suas fontes inspiradoras:

“Camaro Amarelo” – Munhoz e Mariano

A dupla serteneja está estourando nas paradas do Brasil com a música que conta a história de um sujeito que vê sua vida mudar após levar para casa um Chevrolet Camaro.

“Fuscão Preto” – Almir Rogério

Exemplo clássico de artista que faz sucesso até hoje com uma música, Almir Rogério colocou na música a história de um marido traído, sua mulher e o amante que andava por aí com um Fusca preto.

“Mercedes-Benz” – Janis Joplin

A cantora americana virou um ícone do rock mundial com sua inconfundível voz rouca, explorada em faixas como a canção em homenagem à marca da estrela de três pontas.

“O Calhambeque” – Roberto Carlos

Depois de deixar seu Cadillac na oficina, o “rei” Roberto se apaixona por um possante calhambeque neste clássico da Jovem Guarda.

“Simca Chambord” – Camisa de Vênus
Marcelo Nova canta sua paixão pelo luxuoso sedã brasileiro neste sucesso do rock dos anos 80.

E você, que carro lhe inspira? Confesse sua paixão! :)

Fonte: bit.ly/OWeQV4

Na semana passada, falamos sobre o período mais indicado para trocar amortecedores. Mas não é somente o amortecedor que merece atenção em seu carro. Muitas pessoas reclamam da falta de potência do motor de seus carros, e acabam realizando alterações mecânicas nas configurações originais dos veículos, acreditando que algumas destas alterações auxiliam no ganho de potência. O que a maioria destas pessoas não sabe, é que tais alterações dificilmente ajudam, pelo contrário, prejudicam ainda mais o desempenho do motor, e ainda por cima correm o risco de perder a garantia mecânica de seus automóveis.

Os motores não são preparados para alterações o que pode ocasionar aumento de consumo

Veja um exemplo claro na resposta dada ao leitor, cujo trecho transcrevemos abaixo:

“Pergunta: O que acontece tecnicamente com um veículo quando retiramos do escapamento os silenciadores e o conversor catalítico? Ocorre aumento de potência? Aumenta o consumo de combustível? – Leitor

Resposta: Ao retirar os dois ítens, o veículo deixará de atender aos limites de emissões de poluentes e de ruídos previstos em lei. Com menor contrapressão, o motor até poderia ganhar um pouco de potência, mas isso acaba não ocorrendo porque ele não está calibrado para funcionar nestas condições”, explica Sidney Oliveira, gerente de vendas e marketing da Bosch e vice-presidente da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva.(…)”

Leia o texto na integra aqui: http://ow.ly/d1tPY

Os amortecedores são muito importantes no nosso carro. Eles são responsáveis por controlar e diminuir o balanço e as oscilações que o carro sofre. Apenas lembramos do amortecedor quando ele está ruim. O nosso conforto sai bem prejudicado.

Quem dá o molejo e o conforto do carro é a mola, mas sem a ajuda do amortecedor, a cada vez que se passasse em cima de uma lombada, o carro ficaria balançando por um bom tempo, o que seria bem irritante.

O amortecedor trata de fazer com que o balanço da mola pare rapidamente. Como podemos fazer para que o amortecedor tenha uma maior vida útil? Como devemos usar o carro para que ele seja menos prejudicado e continue funcionando bem?

Uma coisa importante a fazer é escolher caminhos mais suaves. Se você pode chegar até a sua casa por uma rua de asfalto e outra de paralelepípedos, você já sabe qual delas deve usar para desgastar menos o amortecedor, é óbvia a escolha.

Se os amortecedores tiverem que trabalhar menos, vão poder durar mais. Se tiver que passar por uma rua ruim, sem alternativas, escolha fazer isso devagar. O mesmo vale para as lombadas, passe por elas sem pressa.

Para sermos mais gentis com nossos amortecedores, temos sempre que verificar todo o conjunto da suspensão. Se ela estiver boa, não vai maltratar eles. Verifique as buchas. SE tiver alguma rachada ou gasta, tem que trocar.

 

Quando trocar o armortecedor?

 

As molas também devem estar boas. Se tivermos molas que já passaram da hora da troca, elas vão cair, ou seja, sustentar menos o carro. Com isso, o veículo inteiro estará apoiado em cima dos amortecedores, o que vai fazer com que eles se gastem bem rápido.

Quando trocar os amortecedores? Algumas marcas dizem que temos de fazer a troca a cada 30.000 quilômetros, mas isso nem sempre é necessário. Se o uso que você faz do carro é sempre suave, ou se você sempre anda em estrada, pode ser que eles durem o dobro disso, tranquilamente.

E como saber se os amortecedores estão bons? Balance um canto do carro, tanto da dianteira quanto da traseira, empurrando aquela parte com força para baixo. O carro deverá balançar no máximo uma vez. Se ele balançar mais do que isso, os amortecedores não estão bons mais. E prepare-se, pois eles são meio caros. E a idéia de que as molas são mais baratas é errada. Elas muitas vezes custam 80% do valor do respectivo amortecedor.

 

Texto retirado do site http://www.sossego.com.br

Num acidente de trânsito, o motorista e todos os passageiros do carro segurado (se feridos), ou seus beneficiários, recebem indenização por despesas médicas e hospitalares, por morte ou invalidez permanente (total ou parcial).

A indenização de despesas médico-hospitalares corresponderá aos gastos devidamente comprovados, limitados ao valor contratado. No caso de morte ou invalidez permanente, o valor da indenização será a quantia definida na apólice e será pago por passageiro, em valores iguais e únicos.

No caso de invalidez permanente parcial, a indenização é calculada de acordo com critérios definidos pela Susep (Superintendência de Seguros Privados, autarquia subordinada ao Ministério da Fazenda, responsável pela fiscalização e regulamentação do setor de seguros), segundo tabela que deve constar do contrato do seguro do seu automóvel.

Exemplo

Valor segurado para invalidez permanente por passageiro: R$ 10 mil.

Valor segurado para morte por passageiro: R$ 10 mil.

O acidente no trânsito causou uma fratura não consolidada no maxilar inferior de um dos passageiros do seu carro. O atendimento médico-hospitalar custou R$ 7 mil.

A tabela da Susep estabelece indenização de 20% do valor contratado na apólice. Ou seja, o passageiro do seu carro será indenizado em R$ 2 mil, acrescidos do reembolso do DPVAT, fixado em R$ 2,7 mil, quantia máxima em valores de 2011. Ficam a descoberto R$ 2,3 mil.

Ainda no exemplo, embora esse passageiro do seu carro tenha sido tratado, não resistiu aos ferimentos do mesmo acidente e morreu. A indenização do APP em caso de morte é o valor total segurado, nessa simulação, de R$ 10 mil. Desta quantia, serão descontados os R$ 2 mil anteriormente pagos pela seguradora, restando R$ 8 mil para os familiares ou dependentes da vítima, receberem.

Se tiver maiores duvidas, você poderá sempre acessar o site que tem as informações de maneira mais objetivas e claras: www.sossego.com.br.

A cobertura para riscos de danos a terceiros é a Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos (RCF-V), que garante o reembolso de indenizações que você seja obrigado a pagar devido a danos causados a outras pessoas ou a proprietários de bens materiais. Prevê também o pagamento de advogado e custas judiciais. A cobertura de Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos (RCF-V) cobre os riscos de danos materiais ou pessoais a terceiros, sendo que os danos pessoais podem ser corporais (físicos) ou morais. Ao contratar esse seguro, você passa a ter o direito ao reembolso – até o limite determinado na sua apólice – de indenizações que seja obrigado a pagar, judicial ou extrajudicialmente, por ter provocado danos pessoais ou materiais a outros.

Danos pessoais

O RCF-V, relativo a danos corporais, representa uma cobertura chamada de “segundo risco”, pois o DPVAT, seguro obrigatório de responsabilidade civil, pago no licenciamento do veículo, é considerado primeiro risco. Ou seja, o seguro que você contratou facultativamente vai complementar o valor de eventual indenização por danos corporais causados a outras pessoas, que estiver acima da quantia indenizatória paga pelo DPVAT. O mesmo conceito de segundo risco se aplica ao seguro “Carta Verde”, obrigatório para veículos em viagem a países do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai). O “Carta Verde” abrange danos corporais e materiais causados a terceiros, incluindo pagamento de honorários de advogado de defesa e custas judiciais, se for o caso.

Agora, se precisar de maiores informações, acesse www.sossego.com.br – O Site do Seguro

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.